O SENHOR DE HUANCA NÍVEL II

27/09/2013 14:47

 Os dois enigmas mencionados por minha esposa anteriormente, são solucionados pela matemática dos QM. E esta matemática não é a que conhecemos nas escolas. Mas também não é coisa de outro mundo. Percy A. MacMahon os define assim: “Toda matéria de quadrados mágicos e arranjos conexos de números parece à primeira vista ocupar uma posição que é totalmente isolada dos outros departamentos de Matemática Pura”.

O importante agora é compreender sua definição, já que existe um capítulo especial sobre esse assunto. “Um Quadrado Mágico é uma tabela quadrada de números inteiros consecutivos, começados por 1, construída de tal forma que o valor da soma dos números de qualquer coluna, linha ou diagonal principal seja constante”. Por exemplo, no caso de um QM de ordem 3 a constante é 15 (Fig. 1) e no caso do QM de ordem 4 a constante é 34 (Fig. 2). Podem conferir!

                                                              

                               

          Fig. 1                                        Fig. 2

 

Dentro do campo da matemática, podemo dizer que os grandes artistas se basearam em diversos estudos com base na matemática para conseguir maior harmonia. Matemática esta, aplicada no campo puramente artístico, religioso e na natureza, como por exemplo, a matemática da Proporção Divina. A harmonia particular da Proporção Divina foi notavelmente desenvolvida nas catedrais góticas da Europa e na Grande Pirâmide de Egito. A mesma proporção aparece nas pinturas de Leonardo da Vinci e Miguel Ângelo.

 

 Fig. 3

No caso da gravura Melancolia I (Fig. 3), é um clássico do Renascimento Alemão, é uma das obras simbólicas do artista Albrecht Dürer. Nesta composição podemos observar como o artista fez uso da geometria, ao misturar imagens religiosas com outras do cotidiano. É uma composição alegórica que tem sido alvo de muitas interpretações.

Além de tudo issso coube a Albrecht Dürer ser o primeiro na Europa a expor um Quadrado Mágico numa de suas obras artísticas. Ele colocou um QM de ordem 4, no canto superior direito. Como tudo têm uma razão de ser, a explicação é que Dürer conseguiu escrever neste QM o ano em que ele o desenhou    15 14     (linha inferior, parte central). 

Mas para explicar o porquê o QM de ordem 3  faz parte da pintura do Senhor de Huanca não é uma razão material (como a de Albert Dürer), se não uma razão espiritual. E é por isso mesmo é que os números não estão inscritos, pois, ao preencher os espaços vazios conforme a Ilustração 2 e interpretamos a suas mensagens, percebemos a grandiosidade do nosso Senhor Jesus Cristo.

 

O SENHOR DE HUANCA

   ILUSTRAÇÃO 1          

 

O ENIGMA DA “JANELA” QUADRADA

 

Começaremos por explicar primeiro a pintura do Senhor de Huanca, é uma pintura do século XVII, que mostra JESUS em atitude de recolher as vestes depois da flagelação (ver Ilustração 1). A história conta que um dos mais afamados pintores da escola cusquenha foi eleito para esta privilegiada labor. O vidente (Diego Quispe) informou ao pintor de todos os detalhes da aparição e pintou sobre a roca viva a figura de Cristo, ao fazer seu trabalho parecia que uma mão divina o guiava.

 

Observado bem esta pintura encontramos uma “janela” quadrada acima da cabeça do Senhor, nada a ver com o que o pintor tenta transmitir-nos – a flagelação. A “janela” que aparece nesta pintura está no ar, ela não tem base de sustentação, isso não é possível! Na minha humilde opinião, ela – a janela – está fora do contexto, ou, não está? Nota-se que em alguns lugares transpassa as nuvens é como se estivesse no espaço! Isso para mim tinha um significado muito maior. Dava-me a impressão que esse vazio da janela devia ser preenchido. E é aí onde encaixa a matemática do QM de ordem 3

 

 

    ILUSTRAÇÃO 2

 

Pitágoras dizia: Em todas as coisas estão os números. São os números que ordenam a constituição do Universo. Os números são a essência das coisas. Mas qual seria o pensamento dele ao respeito do número 1. O um é o Ser Supremo, DEUS.

 

E é esse número (1) que está exatamente acima da cabeça do Senhor de Huanca. Isto para mim quer dizer tudo: JESUS CRISTO... DEUS. Mas deixo a seu critério, observar a “Dimensão” destas duas figuras e dar sua opinião depois.

 

Esta ilustração 2, foi para mim uma grande revelação da maior importância, pois tenho trabalhado durante muitos anos com quadrados mágicos e esta é a primeira vez, que de tanto observá-la, veio a pergunta e porque não inserir nessa “janela espacial” os números do QM de ordem 3, e ver qual é o efeito no seu contexto?

 

Agora vou a mostrar-lhes o que eu descobri no interior desse QM de ordem 3, vocês não vão acreditar. Como se tratava de números pensei logo na numerologia, que é um estudo antigo do significado dos números, calculados com base em uma data, nome ou em ambos simultaneamente. O método mais conhecido e mais simples consiste em dar a cada letra o seu numero de ordem no alfabeto (fazendo as reduções dos números superiores a 9).

 

O que me chamou a atenção foi que no livro “Vida e Mistério dos Números” do autor François-Xavier Chaboche, explica que, esse sistema é o mais comum, mas também o mais convencional e artificial, uma vez que se dá às letras seu valor ordinal, sem haja verdadeira ligação com sua raiz cabalística. (Entretanto não existindo o acaso, a ordem das letras do alfabeto latino deve corresponder a qualquer coisa. Mas, a que?).

 

Ao ver a Tabela I, realmente não há nada que possa corresponder a alguma coisa e não tem nada de cabalístico. Mas como disse o autor François-Xavier Chaboche, não existindo o acaso, a ordem das letras do alfabeto latino deve corresponder a qualquer coisa e, pergunta: mas, a que? A resposta estaria nesses números 1, 5 e 9, que fazem parte da coluna do meio do QM de ordem 3. E não seria qualquer coisa!!!

 

  TABELA I

 

Assim com a Tabela I na mão, onde são feitos os estudos de numerologia, me preparava para fazer o que? Pois neste caso particular fiquei surpreendido não existem cálculos de nomes e de datas. Somente tinha aqueles números relacionados com as letras. Pois ao fazer as equivalências das letras da linha do meio com os números 1, 5 e 9 conforme está na Ilustração nº 2, se destacam quatro letras. Quatro letras, nas posições eternas, cujo significado me transportava há mais de 2.000 anos, no tempo em que Jesus era crucificado, e como ele, outros dois, um de cada lado, e Jesus no meio. E Pilatos escreveu também um titulo e pô-lo em cima da cruz; e nele estava escrito: JESUS NAZARENO REI DOS JUDEUS (João 19: 18 – 19), conforme vemos na Tabela II.

 

  TABELA II

 

Ø     Ao nº 1 corresponde a letra J

Ø     Ao nº 5 corresponde a letra N

Ø     Ao nº 9 correspondem as letras R e I

Ou seja, J N R I – Jesus Nazareno Rei dos Judeus (João 19:9).

 

                  

   Fig. 4

Isto poderia ser o inicio de uma coisa maior, ou, simplesmente uma coincidência? Ou como dizem, estaria forçando muito a barra. A partir daí continue a minha pesquisa, montando as letras correspondentes aos números no QM conforme a figura 4. Faltava agora, procurar mais dados para ter a certeza se estava no caminho certo e fazer as respectivas comparações. Pois me parecia que havia descoberto a “caixa de Pandora” (pois me trouxe surpresas e mais supressas).

 

A história do Senhor de Huanca (ver história completa do Senhor de Huanca, é muito linda) aconteceu num dia determinado pelos desígnios do Senhor, era o mês de Maio de 1675. Na figura 5, observamos primeiramente a área cercada pelo circulo B: Iniciando a leitura vemos claramente os números (em fundo branco), 1, 6, 7 e 5 (1675), ano desse grande acontecimento; na interseção dos círculos A e B, vemos o número 15, o que poderia ser o dia (digo poderia ser, porque ele foi determinado pelos desígnios do Senhor), e o número 5 o mês de Maio. Concluindo este analise temos: 15/05/1675.

 

  Fig. 5

 

Na mesma Fig. 5, observemos agora o circulo A, ele encerra as letras (em fundo branco) em movimento continuo, (H U) + (A N) + (C A). O que podemos deduzir sem muito esforço a palavra HUANCA, que é justamente o nome do local histórico.

 

O que me surpreendeu é que no próprio livro do Senhor de Huanca, menciona outro aparecimento do Nosso Senhor – O Sagrado Coração de Jesus, no mesmo ano! Começamos pela data, é algo parecido com o Senhor de Huanca, segundo os estudiosos a revelação ocorreu entre os dias 13 e 21 de Junho de 1675 em Paray Le Monial na França. Observando de novo a Fig. 3, vemos no circulo B na parte inferior e superior vemos os números em fundo branco 1, 6, 7 e 5 (1675), ano da aparição; no mesmo circulo B parte inferior temos os números 1 e 6 (16), dia da aparição ( número que se encontra entre 13 e 21) e o próprio número 6 que seria o mês da aparição (Junho). Concluindo este analise temos: 16/06/1675. (data que corresponde à terceira aparição)

 

Esta data é muito importante, pois Jesus manifestou-se-lhe (Margarida Maria de Alacoque) com peito aberto e apontando com o dedo seu Coração, exclamou: “Eis o Coração que tem amado tanto aos homens a ponto de nada poupar até exaurir-se e consumir-se para demonstrar-lhes o seu amor. E em reconhecimento não recebo senão ingratidão da maior parte deles”.

 

O ENIGMA DO “DIADEMA” DE OURO

 

Neste enigma sobre o diadema de ouro nos deparamos com três fatos de grande relevância. O primeiro é que o diadema sobre a cabeça do Senhor está substituindo a coroa de espinhos no momento da flagelação. Mas por quê?  A razão disto é que o Diadema de Ouro marca exatamente a ligação que Jesus Cristo tinha com o Céu e a Terra. Uma prova clara de que Jesus veio como Rei e entrou na cidade como Rei.

Nenhuma coroa de espinhos agora desfigura a cabeça sagrada, mas um diadema de glória repousa sobre a fronte santa. O semblante divino irradia o fulgor deslumbrante do Sol meridiano. E “tem em Sua coxa, um nome inscrito Rei dos reis e Senhor dos Senhores” (Apocalipse 19:12 – 16).

 

                                       

 

 

O segundo fato, podemos observá-lo na ilustração 1, vendo a forma do Diadema de ouro, como o Sol do meridiano que forma um arco de 180°. Desenhei em forma esquemática (Fig. acima), a representação do Diadema, para melhor interpretação.

 

Observando a parte superior vemos 9 raios maiores, formando três grupos, que correspondem primeiramente às 9 divisões do QM de ordem 3, assim como também cada raio destes corresponde a um número (ver Fig. acima). E observando as três pedras preciosas incrustadas na parte superior e as sete pedras preciosas incrustadas na parte inferior, podemos deduzir também que estamos frente à Revelação do Evangelista São João, mais uma vez.

 

Considerando de esquerda para direita temos para a primeira pedra preciosa (em vermelho): os sete selos; para a segunda pedra preciosa (em amarelo): as sete trombetas; e para a terceira pedra preciosa (em verde): as sete taças.

Os sete selos (Apocalipse 6:1-17; 8:1-5), sete trombetas (Apocalipse 8:6-21; 11:15-19) e sete taças (Apocalipse 16:1-21) são três séries de julgamentos de Deus que são diferentes e consecutivas.

 

O terceiro fato, é a Coroa de Espinhos (que teria durante a flagelação), observando a parte do meio da representação esquemática do Diadema, vemos 45 raios menores que equivalem à somas das três (3) linhas verticais (a soma de cada linha vertical equivale à soma constante 15, propriedade deste QM). E aqui temos uma grande surpresa, os espinhos da coroa, ou seja, 3x15 = 45 (ver Ilustração 3).

Descrição da coroa de espinhos: “era artisticamente trançada de três varas de espinheiro, da grossura de um dedo, que tinham crescido alto, através dos espessos arbustos. Os espinhos, pela maior parte, foram propositalmente virados para dentro. Pertenciam a três diferentes espécies de espinheiros”.

(As três cores – vermelho, preto e verde – representam as três espécies de pinheiros).

 

                                             

                                               ILUSTRAÇÃO 3

 

CONCLUSÂO: A conclusão lógica de tudo isto é a certeza absoluta que as letras JNRI (Jesus Nazareno Rei dos Judeus), encontrados nos QM (Fig. 2 e 3) referem-se à Pessoa mais importante que já veio a este mundo – Jesus Cristo; e a certeza de que o quadro do Senhor de Huanca no momento da flagelação ¹ é uma pintura mística e de muitas simbologias, que nos permite encontrar a Verdade de muitas passagens Bíblicas – Profecias e Evangelhos.

 

¹  Numa pesquisa apurado na internet  sobre as pinturas referentes à "flagelação", JESUS tinha na cabeça uma coroa de espinhos, uma auréola ou não timha absolutamnete nada. Neste caso, que me parece único, Jesus Cristo tinha um Diadema de Ouro (???). O qual já foi explicado acima no "O Enigma do Diadema de Ouro"

 

Uma das características dos quadrados mágicos, dentro de sua multiplicidade e multifuncionalidade são sem duvida, servir como chaves de interpretações. Poderemos afirmar que as datas e os nomes que foram descobertos estavam escritos desde antes da formação do Universo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!