OS QUADRADOS MÁGICOS - A GRANDE PIRÂMIDE - PARTE I

01/02/2014 19:35

 

OS QUADRADOS MÁGICOS 

 

Esta parte é um estudo avançado sobre os Quadrados Mágicos. O Quadrado Mágico (QM) a analizar é QM de ordem 9 (ver figura anexa). O estudo deste QM me levou à descoberta  - da matemática - do que conhecemos hoje como "A GRANDE PIRÂMIDE".

 

QUADRADO MÁGICO DE ORDEM 9

 

 

 

Lembrando o que é um QM:  “Um Quadrado Mágico é uma tabela quadrada de números inteiros consecutivos, começados por 1, construída de tal forma que o valor da soma dos números de qualquer coluna, linha ou diagonal principal seja constante”. E neste caso do QM de ordem 9, a constante é 369.

Antes de qualquer coisa, vejamos o que se disse sobre a Grande Pirâmide. 

 

 A GRANDE PIRÂMIDE

 

Das grandes maravilhas que existem em nosso planeta, nenhuma se compara à Grande Pirâmide. Pela perfeição da estrutura e pelo grande desafio que é para a humanidade atual descobrir quem a construiu quando e com que objetivo e principalmente como adquiriram o conhecimento científico e astronômico usados na construção. Daí surgiu o grande mistério que esta além de nossa compreensão. 

Já no ano de 900 d.C. o historiador árabe Masoudi afirmou que a Grande Pirâmide fora construída como um monumento capaz de conter em si todo o conhecimento antigo, tanto científico quanto religioso e artístico.

O clérigo americano Joseph Seiss escreveu em 1887 que as pedras da pirâmide continham “um grande sistema de números, medidas, pesos, ângulos, temperatura, graus, problemas geométricos e referencias cósmicas inter-relacionadas”. Seiss ficou impressionado pela inexorável repetição do número 5.

Para Charles Piazzi Smyth (1819 – 1900), a Grande Pirâmide do Egito foi construída sob orientação divina.

Assim esta grande estrutura arquitetônica, têm fornecido através dos séculos aos arqueólogos, historiadores e místicos, material para suas inúmeras teorias e discussões sem fim.

 Então podemos dizer que ela foi construída para auxiliar a humanidade chamando sua atenção para a perfeição humana; sendo assim, cabe supor que a estrutura possa encerrar outros princípios científicos, de conhecimentos superiores ao nosso atual.

Hoje é estudada por pesquisadores e cientistas, formando equipes com aparelhagem de ultima geração. Mas, o mistério continua.

 

O itinerário - traçado geométrico - seguido pela "unidade" corresponde à disposição dos números do QM de ordem 9 (ver Fig. 1).

 

   FIGURA 1 -  GEOMETRIA DO QM DE ORDEM 9

 

 

Como podemos observar nessa geometria do QM acima existem muitas figuras triangulares. E uma dessas figuras é que me chamou a atenção e cuja construção básica consta de 12 passos, a qual mostramos abaixo:

 

 FIGURA 2

 

Observemos com atenção estas  duas figuras (2 e 3), vemos que existe a primeira vista certa semelhança. Mas fora dessa  semelhança, existe algo mais, do qual nos vamos a ocupar neste Capitulo  " O PROJETO ORIGINAL DA GRANDE PIRÂMIDE".

 

         GRANDE PIRÂMIDE - CORTE MERIDIANO

 

  FIGURA 3 

 

 

 

Qualquer projeto de Engenharia exige cálculos, no caso da Grande Pirâmide não poderia ser diferente. Uma vez calculada teria que haver um planta a qual mostrasse as  verdadeiras dimensões do Projeto. Assim por exemplo  temos que uma "Planta Baixa" que é o nome que se dá ao desenho de uma contrução feito, em geral a partir do corte horizontal à altura de 1,50m a partir da base. È um diagrama dos relacionamentos entre salas, espaços e outros aspectos físicos em un nível de uma estrutura. Nela devem devem estar detalhadas em escala as medidas das paredes (comprimento e espessura), portas, janelas, o nome de cada ambiente e seu respectivo nível.

 

O corte  vertical mostrado na FIGURA 2, poderia ser o corte verdadeiro da Grande Pirâmide, mas teria que prová-lo. Entre os cálculos básicos dos pesquisadores estavam:  altura (146,6 m), comprimento da base (230,34 m) e o ângulo de inclinação (51 graus, 51 minutos e 14 segundos). Achar um destes valores - entre os 81 números inscritos no QM - não era tarefa fácil (era uma loucura).

A verdade é que estava ansioso para que acontece-se alguma coisa. Pois, acreditava que estava no caminho certo. Então a ideia surgiu e tomou forma de revelação, pois,  olhando os vértices  4, 5 e 6 das  Fig. 1 e 2 respectivamente, minha impressão era como estar olhando o ângulo de inclinação da Grande Pirãmide, começando pelo vértice de número 6 verifiquei que havia mais dois números adjacentes  o número 7 e o número 38, os quais ao soma-los dava um total de 51. Poderia ser uma coincidência. Com o vértice 4 aconteceu a mesma coisa, os números adjacentes eram 3 e 44 que ao soma-los dava um total de 51. Após disso vieram outras e outras coincidências. Que já não seriam mais coincidências estava no caminho certo.

Logo após disso passei a observar que todos os números estão estratégicamente colocados prontos para ser lidos e interpretados, como se fosse um corte de uma planta de arquitetura. Isto significava que cada número era um código em potencial e à vez multifuncional. Daí cheguei a uma conclusão de que nem todos os números (no total 81) seriam os que entrariam nos cálculos da Grande Pirâmide. 

 

Assim pude organizar a quantidade de códigos que me forneceriam os dados usados para a construção da Grande Pirâmide. Por outro lado também, estes mesmos códigos e aos poucos fui descobrindo que poderiam ser usados para achar dados de conhecimento científicos e religiososcontidos na Grande Pirâmide.                         

Considero que o desenho mostrado na FIGURA 2,  é um desenho semi-esquemático e dessa forma os dados correspondentes à própria pirâmide se encaixam perfeitamente. Isso facilitava os cálculos, pois os números/códigos estavam bem localizados, a exemplo como foi encontrado o ângulo de inclinação.

A relação dos números ou códigos que foram utilizados para os cálculos da Grande Pirâmide foram os seguintes, começando pela parte superior, lado esquerdo: 37, 21, 54, 5, 6, 38, 14, 46, 7, 39, 23, 8, 40, 32, 57, 9, 41, 25, 50, 1, 42, 59, 10, 2, 43, 68, 11, 3, 44, 77, 12, 4 e 45.  

O resultado de tudo isto foi fantástico, após de determinar, analisar e mais verificar os valores existentes encontrados pelos pesquisadores, com os códigos fornecidos pelo QM de ordem 9 já decodificados, cheguei à conclusão que estava frente ao “PROJETO ORIGINAL DA GRANDE PIRÂMIDE” (Ilustração 1).

 

A importância deste projeto não tem paralelo, ele se refere a um conhecimento mais ambicioso e abrangente – outros sistemas solares noutras galáxias do Universo. Assim como na Terra haverá também outras Pirâmides com a mesma perfeição, transmitindo o conhecimento – construtivo, cientifico e espiritual.

 

O que falta neste projeto e o que todo projeto têm: a assinatura do autor. Na  Grande Pirâmide não poderia faltar essa assinatura. Mas por ser o Projetista alguém "especial" essa assinatura teria que ser diferente aos outros, por isso mesmo não podemos encontrá-la em qualquer canto. Pois, dita assinatura está em cada número/código e em todos os números/códigos pelos quais calculamos as dimensões da Grande Pirâmide.  O propósito do AUTOR é atingir todas as esferas celestes!

 

O nome do AUTOR o conheceremos no momento oportuno.

 

PROJETO ORIGINAL DA GRANDE PIRÂMIDE

                           CORTE MERIDIANO

 

ILUSTRAÇÃO 1

 

Agora vamos analisar com mais profundidade o QM de ordem 9, cuja constante mágica é 369. O número no ápice da Grande Pirâmide é um número especial, um dos mais significativos.  Essa impressão sobre o número 5 de Joseph Seiss estava justificada.

O número “5” será usado em quase em todos os cálculos e de diferentes formas (5, √5, 5√5) como fator de correção.

A seguir vamos a mostrar quais são os dados matemáticos que fornece este QM e os critérios usados para a construção da Grande Pirâmide.  Em negrito são os códigos usados em cada caso, e os que estão na cor cinza claro, os que não seriam utilizados neste cálculo.

 

-----------------------------------------------------------

DECODIFICAÇÃO DA GRANDE PIRÂMIDE

  CÁLCULO DA INCLINAÇÃO DA

          GRANDE PIRÂMIDE

 

                 

 

Para calcular o ângulo da inclinação da Grande Pirâmide, faremos as seguintes considerações, conforme a ilustração acima: o vértice 6 define os graus; o vértice 4 os minutos; e o vértice os segundos e frações de segundo (conforme vamos a mostrar).                                                 

DADOS DE CONSTRUÇÃO

No vértice temos: 7 + 6 + 38 = 51

No vértice temos: 3 + 4 + 44 = 51

Nesta fase já estamos de posse de um valor aproximado, ou seja,  51º 51'. Se observamos o vértice 5, na parte inferior está o número 14, que seria a parte inteira dos segundos, assim chegamos ao seguinte valor: 51º 51' 14". Outra forma para este cálculo mais preciso, é trabalhar com os números: 14 e 46.

1 4 4 6

1, 4, (4-1), (4-4), 6    

1  4    3         0    6    

Valor do ângulo de inclinação: 51º 51' 14,306

 

 

OUTROS CÁLCULOS FEITOS POR ESTUDIOSOS:

Do livro -  Lugares Místicos “Enigmas da Grande Pirâmide” ABRIL LIVROS RIO DE JANEIRO.

[...] descobriram duas depressões retangulares no leito rochoso, onde se apoiavam os alicerces originais, removidos séculos antes. Esta descoberta proporcionou-lhes dois bons pontos de referência para a medição da base da Grande Pirâmide. [...] ao longo do lado Norte. Edme-François Jomard mediu primeiro um dos lados da base: 230,90 metros. Em seguida, escalou penosamente a Grande Pirâmide até chegar ao que restara do topo, uma plataforma de 13 metros quadrados, de onde tentou, em vão, lançar uma pedra além do perímetro da base. Ao descer mediu a altura de cada degrau. Altura total: 146,6 metros. Com estes números, Jomard calculou o ângulo de inclinação da Grande Pirâmide: 51º 19’. 

 Do livro “O Enigma da Grande Pirâmide” André Pochan

[...] os resultados das medições modernas do monumento efetuadas por Petrie, o Survey do Egito e por nós próprios.

Da guarnição da pirâmide só restam, no local, alguns blocos mais ou menos no meio da face Norte. Esses blocos, muito bem conservados, possibilitaram a determinação da inclinação da pirâmide, ou seja, de modo aproximado, 51º 51’.

[...] A altura da Grande Pirâmide é o raio de uma circunferência igual ao perímetro da base quadrada da Grande Pirâmide.

Isso equivale a dizer que a inclinação das faces da Grande Pirâmide tem por tangente Pi /4, sendo tal inclinação 51º 51’ 14” 3.

De todas as afirmações de Lagrange, essa relação é a única provável.

 

--------------------------------------------------------

        CÁLCULO DO COMPRIMENTO DA BASE DE

           REVESTIMENTO DA  GRANDE PIRÂMIDE

 

 

Criterios para o cálculo da base: o uso do valor da constante 369 e a raíz de 5, como fator de correção.

Observado a ilustração acima vemos duas diagonais,  a soma de cada diagonal equivale ao valor da constante  369. A partir desse valor calcularemos a diagonal “D” da base (B).

 

DADOS DE CONSTRUÇÃO

369 – 41 = 328,  neste caso o número 41 – soma equivale ao valor 5 –  é retirado por estar no cruzamento das diagonais.

328 -   √5 = 325. 763932022... 

D = 325. 763932022...m

Logo a base “B” será:

(325. 763932022)²/2 = 53061.069703

√ 53061.069703 = 230.349885398...

B = 230.349885398...m

 

 

OUTROS CÁLCULOS FEITOS POR ESTUDIOSOS:

 Do livro “O Enigma das Pirâmides” J. A. Lopiz

[...] As primeiras medições da Grande Pirâmide constam dos valores dados por Heródoto e por Plinio, os quais segundo Petrie aproximavam-se bastante dos valores reais. [...] Portanto pode-se dizer que os primeiros valores para a Grande Pirâmide foram obtidos pelo séquito de cientistas que acompanharam Napoleão Bonaparte ao Egito e apareceram em volumes publicados entre 1809 e 1829.

[...] Vê-se, portanto, que há dois grupos de cifras perfeitamente estabelecidos, nos quais, independentemente da época, diversos autores estão de acordo:

            Autor                Comp.                      Autor                  Comp.

            Jomard              230,90                       Coutelle                 232,74

            Petrie               230,34                       Vyse                      232,86

            Cole                   230,36                       Piazzi Smyth         232,16

Podem, portanto, atribuir-se as diferenças a divergências no critério de medição.

[...] Tal procedimento, que nos é familiar depois do estudo da Câmara do Rei, permitiu escrever para o comprimento do lado da base L = (230,355 ± 0,100) m

Do livro “O Enigma da Grande Pirâmide” André Pochan

[...] Petrie estabelece as dimensões das bases da Grande Pirâmide:

Base sobre o soco

NORTE             LESTE              SUL                  OESTE              MÈDIA

230,363           230,320           230,365           230,342           230,347

230,253           230,391           230,454           230,357           230,366

(este último é trabalho da Survey (1925))

O valor médio da base  do revestimento é de 230,348 m (± 0,127)

 

Em tudo isto, é obvio que a pesar de todos os estragos do tempo, as medidas estão apenas a alguns centímetros da perfeição.

 

----------------------------------------------------------

         CÁLCULO  DA  ALTURA  DA   GRANDE  PIRÂMIDE

 

 

    

 

DADOS DE CONSTRUÇÃO

Dados considerados para o cálculo da altura da Pirâmide:

Base B1 = 230,349885 m (ver cálculo anterior)

Ângulo de inclinação = 51° 51’ 14,306” (ver cálculo anterior)

Altura = h = 230,349885/2 x tg. 51° 51’ 14,306” =

115,174942699 x 1,27323946282 =

h = 146,645282172 m

Valor conhecido: 146,692 ± 0,05 m

 

----------------------------------------------------------

 

  CÁLCULO DA PASSAGEM  DESCENDENTE (SIRINGE) E

                        A CÂMARA SUBTERRÂNEA DA     

                   GRANDE PIRÂMIDE

 

 

 

De acordo com a ilustração podemos calcular as dimensões da passagem descendente (siringe) e a câmara subterrânea.

 

DADOS DE CONSTRUÇÃO

Passagem Descendente:     6 + 7 + 8 + 9 + 50 + 10 = 90 m

Câmara Subterrânea:                            10 + 11 + 12 = 33 m

 

   OUTROS CÁLCULOS FEITOS POR ESTUDIOSOS:

Do livro “O Enigma da Grande Pirâmide” André Pochan, conforme desenho anexo (ver Fig. 4)

Passagem descendente:     21,15 + 69,60  = 90,75 m

Câmara Subterrânea: 8,90 + 8,23 + 16,41 = 33,54 m

Os 90,75 m da Passagem Descendente entendem-se após da guarnição – a entrada é desprovida de guarnição, cujos blocos serviram para a construção da cidadela do Cairo – até o corredor ou poço, que vai da extremidade Norte da Galeria em direção à Câmara Subterrânea.

   

FIGURA  4

 

 

 CORTE MERIDIANO  - GRANDE GALERIA
 (Do livro “O Enigma da Grande Pirâmide” – André Pochan)

-----------------------------------------------------------

             CÁLCULO ALTURA DA PORTA DE ENTRADA

          N° DE DEGRAUS ATÉ A PORTA DE ENTRADA 

O  ÂNGULO DA PASSAGEM ASCENDENTE E DESCENDENTE
                E A GUARNIÇÃO DA  GRANDE PIRÂMIDE

 

 

 

 

DADOS DE CONSTRUÇÃO

Altura da porta de entrada:                               6 + 3 + 8 =         17 m

N° de degraus até a porta de entrada:                 6 + 3 + 8 =        17

Ângulo de descida e subida do canal: 38 – (3 + 8) = 38 – 11 =  27º

Guarnição:                                                                                  8 m

 

 

OUTROS CÁLCULOS FEITOS POR ESTUDIOSOS:

Do livro “O Enigma da Grande Pirâmide” André Pochan

Segundo Petrie, a porta de entrada da Grande Pirâmide situa-se a 16,97  m. A siringe, mergulhando no interior da Grande Pirâmide a partir (da 16ª ou 17ª fileira quando o revestimento intacto), desce sob um ângulo de 26º 34'.

A EXPEDIÇÃO FRANCESA NO EGITO

Estudos de Coutelle e de Jomard: [...] A segunda galeria, ou canal ascendente, cuja inclinação é de 27 graus, tem o comprimento.....

Guarnição: 3,20 + 4,70 = 7,90 (ver Fig. 4)

 

Do livro ”A Grande Pirâmide” do Autor Tom Valentine, a inclinação da passagem descendente é: 26 graus, 18 minutos e 10 segundos. Dr. I.E.S. Edwards (1909 – 1996). Da entrada desce uma galeria medindo [...] numa inclinação (26 graus, 31 minutos e 24 segundos), a princípio através do corpo da pirâmide e em seguida através da rocha. O corredor ascendente [...] sua inclinação (26 graus, 2 minutos e 30 segundos).

Do Livro “O Poder Secreto das Pirâmides” Bill Schut e Ed Pettit.

Richard Anthony Proctor (1837-1888) Proctor calculou que os construtores teriam aberto uma passagem Ascendente, exatamente com o mesmo ângulo de reflexão (27 graus e 17 minutos) que a galeria Descendente.

--------------------------------------------------------

CÁLCULO DA ALTURA DOS CANAIS DE “AREJAMENTO"

      CÂMARA DA RAINHA E CÂMARA DO REI DA

                        GRANDE PIRÂMIDE

 

 

 

DADOS DE CONSTRUÇÃO

Altura da Câmara da Rainha

21 + 23 + 25 = 69 m (faces Norte e Sul)

Altura da Câmara do Rei

69 + (2 +1 + 2 + 5) = 69 + 10 = 79 m. (faces Norte e Sul)

(ver Fig. 5) 

 

Do livro ”O Enigma da Grande Pirâmide” André Pochan, Os dois canais da câmara da Rainha (serdab) são perpendiculares às duas faces Norte e Sul da pirâmide e terminam no meio de seus respectivos apótemas. Terminam no nível da 116ª fileira, a 69 metros aproximadamente sobre o soco da pirâmide.

A questão dos condutores da câmara do Rei é muito mais delicada e difícil de ser resolvida. Segundo Petrie, o canal Norte mede aproximadamente 71 metros e do Sul 53 metros; suas inclinações respectivas são 31º 33’ e 45º 14’.

Obs. A altura de 79 m, está  compreendida entre esses valores.

 

FIGURA 5

 

 

--------------------------------------------------------

      CÁLCULO DO NÚMERO DE DEGRAUS DA

                      GRANDE PIRÂMIDE

 

 

 

DADOS DE CONSTRUÇÃO

Seguindo as duas laterais da Grande Pirâmide: 6 + 38 + 54 + 14 + 46 + 44 + 4 =206 degraus.

 

 

OUTROS CÁLCULOS FEITOS POR ESTUDIOSOS:

 

O fato é que a grande Pirâmide não tem um ápice. As medidas das laterais na base têm ligeiras diferenças o que significa que as dimensões da pirâmide não suportam geometricamente a extensão e termino em ápice. A estrutura física em si foi desenhada para ser trucada no 206º nível. (piramidalqueops@yahoo.com.br)

 

  Do livro “O Enigma da Grande Pirâmide” André Pochan

[...] Desprovido de sua guarnição, cujos blocos serviram para a construção da cidadela do Cairo, a Grande Pirâmide surge atualmente como um prodigioso amontoado de blocos dispostos em 203 fileiras superpostas. Originalmente, ela provavelmente as teria em número de 210 = 2 x 3 x 5 x 7.

[...] Pococke escreve: [...] O número de degraus foi referido de modo diferente: 207 (Greaves), 260 (A. Lewenstein), 208 (Maillet).

 

--------------------------------------------------------

CÁLCULO DA POSIÇÃO DA CÂMARA DO REI

      EM RELAÇÃO À BASE DA PIRÂMIDE

      E POSIÇAÕ DA CÂMARA DA RAINHA

 

 

DADOS DE CONSTRUÇÃO

32 + 5√5 = 43,18033988

43,18033988 m (Posição da Câmara do Rei)

32 - 5√5 = 20,81966011

20,81966011 m (Posição da Câmara da Rainha)

 

Outros cálculos (ver Fig. 4)

 

--------------------------------------------------------

A GRANDE PIRÂMIDE

 

REVESTIMENTO EXTERNO

 

PORTA DE ENTRADA - GUARNIÇÃO

 

--------------------------------------------------------

CONTINUA PARTE II - CÁLCULOS CIENTÍFICOS

 

 

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!